E-mail/Senha incorreto. ×

ESQUECEU SUA SENHA?

Não se preocupe. Basta informar o e-mail que você usou para se cadastrar em nosso site.

Quero escrever bem: dicas de escritores para melhorar a escrita

25/05/2015 Por: Lana Mello
Quer escrever bem? Veja dicas de Stephen King para escrever melhor

Quem nunca imaginou em ganhar a vida com boas palavras expressas em formas de papel? Especialmente se você gosta de ler, já deve ter sentido essa vontade - mesmo que de forma tímida. Diferente do que ouvimos tantas vezes, ‘escrever não é um dom’, mas resultado de muito esforço e técnicas. Não acredita?


Reunimos a opinião de escritores, para melhorar a sua habilidade de escrita. Dentre esses especialistas, reunimos as dicas de um dos mais experientes escritores de contos de horror e ficção de sua geração  e já vendeu mais de 350 milhões de livros em mais de 40 países - Stephen King. Esperamos que essa leitura possa despertar a Agatha Christie, Shakespeare, Jane Austen ou próximo Monteiro Lobato.  


Faça um esquema e não comece a escrever

Normalmente quando temos uma ideia excelente, não vemos a hora de colocar no papel e começar a produzir, antes que as ideias sumam de vez, não é verdade? Embora esse seja o mais normal a ser feito, segundo o genio S. King, o ideal é deixar a “ideia de molho” para que ela possa ganhar mais forma em nossa mente.


Para que você não esqueça e essa brilhante ideia acabe, o escritor recomenda fazer esquemas, que basicamente seriam esboços com os pontos mais relevantes do texto. De acordo com o ponto de vista de King, este método ajuda a desenvolver uma perspectiva detalhada e clara do texto como um todo, além de facilitar no processo de edição.



Evite assistir televisão e leia tanto quanto puder

O problema da televisão é quando ela passa a substituir a boa e velha leitura. Ler contribui com sua criatividade e escrita, que melhora a cada novo livro. Não é nenhum crime assistir sua série ou filme predileto, o único problema mesmo é se isso roubar o seu tempo com bons livros. Além do mais, para virar escritor é preciso tirar tempo para refletir e, a televisão nos atrapalha a cumprir essa missão.  


Para Stephen, o escritor deve olhar para dentro de si mesmo e dar vida à sua imaginação e, ele preza tanto por essa intimidade, que leva livros para qualquer lugar que vá. Segundo ele, só há duas formas de se tornar um ilustre escritor: "Se você quiser ser um escritor, deve fazer duas coisas acima de todas: ler muito e escrever muito".



Faça cortes

Quando começamos a escrever, é inevitável não escrever coisas que sejam redundantes ou que deixem nosso texto confuso com informações ‘demasiadamente desnecessárias’. Contudo, qualquer autor que escreve, quer que sua obra seja lida e não descartada no primeiro capítulo e evitar que a escrita seja cansativa, é a primeira estratégia para evitar esse fim horrível.   


"Desapegue, desapegue, mesmo que parta seu egocêntrico pobre coração escritor, desapegue", aconselha King. Seja direto e não coloque longas introduções ou informações. Apesar da revisão ser uma das partes mais difíceis, ela é fundamental não só para identificar erros, como, também identificar e remover todas as partes chatas para que a história possa fluir naturalmente.



Evite advérbios

Advérbios complementam os verbos e ajudam o leitor a visualizar com mais clareza o que acontece na história. Como você deve saber, há mais de um tipo de advérbio: advérbio de modo; advérbio de intensidade; advérbio de lugar; advérbio de negação; advérbio de afirmação; advérbio de dúvida. No entanto, o excesso desses complementos podem estragar a riqueza do conteúdo.


Em seu livro, King enfatizou várias vezes que "os advérbios não são seus amigos" e sim "a estrada para o inferno é pavimentada com advérbios". Além disso, os advérbios são piores após frases como "Ele disse" e "Ela disse", visto que, essas frases que funcionam melhor sem complemento. É importante ficar atento em seus parágrafos para que eles fluam com as reviravoltas e o ritmo de sua história.



Não dê informação de contexto demais

Às vezes, queremos descrever tantas coisas e contextualizar tanto o leitor naquilo que estamos dizendo, que acabamos interferindo na graça de ler: imaginar. Não fique preso a detalhar tantas coisas; detalhe apenas coisas que sejam relevantes para que o leitor possa entender a história e ter as emoções exatas.


Existe diferença entre falar sobre o que você sabe e usar isso para enriquecer a história, escreveu King. Apenas, inclua detalhes que levem a história para frente e que motivam o leitor a continuar lendo. Em relação à pesquisas, tenha cautela para não ofuscar a história. "Pesquisas devem ficar ao máximo no pano de fundo e no contexto", diz King.


Corra riscos, não fique só naquilo que é seguro

Tire por sua própria experiência como leitor: não é envolvente ler algo que cause impacto e nos tire do comum? Por mais absurdo que tal informação possa parecer, quando nos deparamos com a criatividade do autor, ficamos intrigados e na expectativa de mais surpresas ao longo do caminho. Resultado? Ficamos presos a leitura do início ao fim.   


Escute o conselho do autor Stephen King: "Experimente tudo o que quiser, não importa o quão entediante ou chocante isso possa ser. Se funcionar, ótimo. Se não, esqueça.” Ou seja, tenha coragem para sair daquilo que é clichê; mas, não deixe de ter discernimento para assumir quando algo não fica legal o bastante.


Opiniões de outros escritores


Não só o ilustre Stephen King tem bons conselhos para que você venha a se tornar o escritor do século. Há inúmeros outros escritores de outros gêneros que oferecem mais sugestões para melhorar a sua escrita.


Bernardo Kucinski, autor de “K” e “Você Vai Voltar Pra Mim”, diz que quando começa a escrever evita toda e qualquer distração que venham a interromper seu fluxo criativo. Outra dica dele, é aproveitar os dias de inspiração para compensar os dias que você está “travado”, sem muitas ideias.


Em contrapartida, Ronaldo Bressane, autor de “Céu de Lúcifer” e “O Impostor”, diz que uma tática para alimentar a criatividade é apostar no visual - mudar as fontes, as cor do texto, o formato, etc. Para Bressane, a edição ajuda na visualização da história e faz com que novos insights tomem sua mente.


Agora que você sabe as dicas, que tal começar a escrever?

 

E-mail já cadastrado. ×

Receba nossas novidades


Veja o que outras pessoas acham deste conteúdo. Comente você também.

x
Deseja mesmo encerrar esse chat?


Motivo:


Encerrar Cancelar